Dos Dias Que Virão...

Poderia ser tudo mais fácil e menos feliz se tivéssemos nos desencontrado naquele dia em que você chegou na minha vida, mas por ventura não foi assim. Desde que tu chegaste, o meu silêncio se transformou em grito. E foi entre o primeiro e o terceiro encontro que o meu coração perdeu a paz de ser o único dono de si.
Lembro que chegaste numa quinta-feira improvável, de calor sem sol, céu sem azul, com teus olhos cinza e eu não te reconheci. Não como te reconheço hoje, com todas as cores que agora vejo e que antes eu não percebia. Reconhecia somente o que era relativo às minhas expectativas sobre tudo que encontraria na grande Madri, sobre a minha impaciência na fila de um aeroporto cheio de pessoas - que eu pensava que tu eras só mais uma delas-, e sobre as dúvidas e frustrações da noite anterior: foi justo quando eu pensei que eu realmente não tinha sorte nenhuma que você chegou pra me mostrar que eu estava equivocada.
No dia em que você chegou, a sorte estava na fila ao lado, acenando pra mim e apontando em tua direção, como quisesse me mostrar ou me dizer algo que eu não entendia. Lembro que quando tive a oportunidade de te reconhecer no primeiro momento, quando estávamos a sós, eu e você, eu senti sede e me fui sem pensar duas vezes, com minha música e minha melancolia - e te deixei ali sozinha. Eu só te reconheci um dia antes de ter que me despedir de ti outra vez, como se o acaso, ou a natureza (como você preferir chamar), não pudesse ser contrariado, como se tivesse realmente que acontecer, ainda que tarde. MAKTUB. Porque antes disso era como se alguém soprasse ou sussurrasse algo que eu não entendia a cada vez que você aparecia na porta do meu quarto e se sentava ao meu lado. Eu devia suspeitar que todo aquele riso que você me causava não era lá dos mais comuns.
Desde que você chegou na minha vida eu tenho tido a sensação de que o tempo de uma vida inteira é pouco demais pra tudo que se pode ser, criar e tentar; uma semana é como um segundo ao teu lado. Tenho sentido uma fome louca de tudo, de respirar fundo e aproveitar a vida, de aproveitar você. E não me intimidam esses quatrocentos quilômetros que estarão entre nós. Eu estarei em ti, e tu aqui estarás – dentro - cultivada em mim como se fosse flor. E as lembranças dos dias em que estivemos juntas serão como força incontrolável pros dias que eu, sem pensar em nada além de ti, vou correr pro aeroporto e entrar no primeiro avião que me leve até você, pra estar em paz outra vez. Porque do teu lado eu me sinto como quem sonha, como se precisasse de muito-pouco-quase-nada pra estar completa. Não sinto fome, não tenho sono, só vontade de te descobrir e de ser tua descoberta. E é entre os teus braços claros que eu não me sinto só. Porque apesar de toda essa capa de “que-forte-a-menina-indestrutível!”, eu sou débil e boba demais, fraca e vulnerável quando você dispara um olhar na minha direção. (“No me mires que me encierras... si, ahora es igual, mírame que ya me tienes encerrada por completo”). O meu sorriso é mais feliz contigo e eu amo conhecer teu mundo, as ruas que você passa, as pessoas que você ama, a cama que você dorme e o que você vê quando abre a tua janela ao despertar.
Eu quero ir em ti, quero ir até onde possamos ir, porque também confesso e aceito que já não sou tão singular, e que já me perdi pra ti faz tempos. Resolvi pular bem do alto dessa pedra e cair de vez nesse rio, e que a correnteza me leve pra esse lugar tranquilo que eu tenho a impressão de ver de relance a cada vez que nos encontramos.
Que o universo nos tenha reservado um amanhã bonito.
Segura a minha mão com força e não solte.


Que venha o desafio.


Por Dani Cabrera

“Que sí, que sí, qué bien! Que me encanta escucharte, adoro sentirte. El barrio es más hermoso desde que apareciste, hoy luce el sol en mi corazón. Mi niña, mi amor, mi rayo de luz, el camino que lleva a tu casa es mi alegría. La primavera ha llegado a la ciudad y no sabes lo bien que me sienta”.
(Mar El Poder del Mar _ Facto Delafé)

Comentarios

  1. Hei, "moçamor"!

    Que lindo texto!

    E amor é sorte. Que bom ser você a sortuda. Bonito isso, de largar tudo, correr pro mundo... Pra estar ao lado de quem a completa. Seja mesmo singular para, junto dele, serem pluralidade!

    Beijo!
    ;*

    P.S.: Dá uma passadinha lá no meu blog depois. Tem um presentinho com carinho. É um Meme bem interessante.

    ResponderEliminar
  2. Por causa de encontros assim, desses que não acontecem todos os dias, é que a esperança da gente não morre, Dani. Tenho passado por dias muito difíceis, ando não acreditando mais que (como vc costuma dizer) "ainda haja uma possibilidade de amor" pra mim. Mas toda vez que venho aqui eu volto a acreditar com toda a minha força. Muito obrigada por não ter medo de amar, muito obrigada por me fazer acreditar outra vez. Beijos do nordeste do Brasil.


    Alessandra

    ResponderEliminar
  3. Infelizmente,nao vou poder ler o texto agora.Só posso dizer que seu blog me pareceu imensamente agradável!A trilha sonora então!Não conhecia essa banda latina,estou baixando o cd deles agorinha ^^!Bjo,voltarei aqui mais vezes.

    ResponderEliminar
  4. Que LindO seu texto...

    Parabéns.

    x)

    ResponderEliminar
  5. Amei o texto !
    ja estou seguindo seu blog .

    Grande beijo .

    ResponderEliminar

Publicar un comentario

Entradas populares